Mensagem do Diretor Geral

Somos sumidouro de carbono, somos circularidade, somos velhos e novos produtos substitutos de todo e qualquer material de origem fóssil, somos garantia de mais e melhor floresta, somos emprego e qualificação, somos valor económico, somos exportações, somos passado e presente… mas somos sobretudo o Futuro.

Em tudo isto que somos, encontrará muitos dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, muitas das aspirações do Green Deal Europeu.

É muita pretensão? Esteja atento, e vai ver que não!

A fileira da Pasta, Papel e Cartão, que integra as empresas associadas da Biond, ocupa um papel central na descarbonização da economia portuguesa. Fá-lo na medida em que é responsável pela gestão sustentável de uma parte significativa da floresta nacional, contribuindo assim para o sequestro efetivo de CO2. Fá-lo também, porque esse CO2 fica armazenado nos produtos por si produzidos ao longo da sua vida útil, produtos esses que cumprem diversos ciclos de reciclagem. Finalmente, fá-lo porque as fibras de origem florestal, e em particular o Papel e o Cartão, são os materiais que melhor se adequam a uma rápida e eficaz substituição dos produtos de origem fóssil.

Para além do insubstituível contributo para a descarbonização da economia e para enfrentarmos com sucesso a crise climática, esta fileira apresenta-se hoje com um enorme potencial de inovação que irá, indiscutivelmente, moldar o caminho de reinvenção de muitos domínios da indústria nacional. Refiro-me ao vasto leque de novos produtos e aplicações das fibras de celulose que se encontram em fases adiantadas de inovação: alimentos e suplementos alimentares incluindo probióticos; aditivos alimentares tais como espessantes e aromatizantes; produtos para cosmética e para a indústria farmacêutica tais como anti-inflamatórios; espumas de poliuretano para isolamento térmico; biocombustíveis tais como o bioetanol para os transportes rodoviários, o biometanol para transportes marítimos e o jetfuel-etanol para aviação; resinas e colas; compostos químicos como o etileno que poderá ser utilizado na produção de bio-polietileno; bioplásticos para embalagens de alimentos; bio-compósitos para a indústria automóvel e para a indústria de moldes; componentes eletrónicos flexíveis tais como sensores eletrónicos de papel utilizáveis para o diagnóstico clínico e para controlo de qualidade alimentar. E um sem número de outras utilizações, totalmente sustentáveis, que aos poucos vamos conhecendo.

Descarbonizamos e reinventamos o futuro. Fazemo-lo a partir de bio-recursos totalmente renováveis, reutilizáveis e recicláveis. Connosco a economia ganha uma nova circularidade, dando um significado acrescido à palavra “tudo” na já velhinha Lei de Lavoisier – “na natureza, nada se ganha, nada se perde, tudo se transforma”.

As fábricas dos nossos associados são hoje verdadeiras bioindústrias circulares, que integram o esforço nacional de reindustrialização sustentável.

Descarbonizamos e reinventamos o futuro. Fazemo-lo a partir de bio-recursos totalmente renováveis, reutilizáveis e recicláveis. Connosco a economia ganha uma nova circularidade

Francisco Gomes da Silva

Diretor Geral da Biond

Mas somos ainda mais do que remoção de carbono, a substituição de plásticos ou os novos e revolucionários produtos limpos. Somos também, através da gestão sustentável de centenas de milhares de hectares de Floresta, a garantia de produção de um vasto leque de Serviços da Natureza, normalmente designados por serviços de ecossistemas: protegemos ativamente os solos e melhoramos o seu teor de matéria-orgânica; promovemos biodiversidade e damo-la a conhecer à sociedade; promovemos o controlo dos regimes hidrológicos torrenciais, garantindo a maior infiltração de água ao longo do perfil dos solos, recarregando os lençóis freáticos; criamos amenidades paisagísticas e espaços de lazer de que as populações usufruem.

 

Finalmente, e como já referi, somos economia (1,5% do PIB, 2,3 mil milhões de euros de exportações, 1,2 mil milhões de euros de saldo da balança comercial) e emprego qualificado.

Com tudo isto, somos uma indústria benchmark a nível europeu e mundial na produção de pasta e de papel.

Deixo-lhe um desafio: venha conhecer-nos melhor, começando por esta página. Depois, venha visitar uma das fábricas das empresas nossas associadas ou uma área florestal sob nossa responsabilidade. Tem todo um mundo a descobrir, e não se vai arrepender.

Equipa

Somos uma equipa com vastíssima experiência científica e técnica em diferentes áreas.

Colocamos o nosso conhecimento e competências ao serviço da Floresta e da Bioindústria

Ana Fernandes
António Bettencourt
Henrique Vieira
João Alexandre
André Ferreira
João Marques
Ver todos

Associados

A Biond é uma associação sem fins lucrativos que tem como finalidade assegurar junto de entidades e organismos, nacionais e internacionais, públicos e privados, a representação dos interesses coletivos da atividade industrial e florestal da pasta, papel, cartão e atividades afins, em representação dos seus associados.

Altri

  • Altri Florestal
  • BIOTEK
  • CAIMA
  • CELBI

Somos sumidouro de carbono, somos circularidade, somos velhos e novos produtos substitutos de todo e qualquer material de origem fóssil, somos garantia de mais e melhor floresta, somos emprego e qualificação, somos valor económico, somos exportações, somos passado e presente… mas somos sobretudo o Futuro.

Atualmente, a Altri tem três fábricas de fibras celulósicas – a Celbi, a Caima e a Biotek – com uma capacidade anual nominal superior a 1 milhão de toneladas.

A gestão florestal é uma atividade central da Altri que tem sob gestão cerca de 87 mil hectares de floresta certificada. A auto suficiência florestal é da ordem dos 20%. Para uma melhor gestão da floresta, a Altri – através da sua subsidiária Greenvolt – produz energia elétrica a partir de biomassa florestal. Atualmente estão em operação cinco centrais com uma potência instalada total de cerca de 96,7 MW, produzindo um total de 720 GWh por ano.

A estratégia de negócio da Altri assenta em quatro eixos estratégicos que orientam a atividade e futuros investimentos: valorizar as pessoas; desenvolver e valorizar a floresta; apostar na excelência e na inovação tecnológica; e afirmar a sustentabilidade. Os temas ESG são parte integrante do funcionamento da Altri, sendo os mesmos abordados de forma transversal e ao longo de toda a organização, conforme espelhado nos eixos estratégicos.

1 175 000

toneladas / ano

87 000

hectares de gestão de Floresta

720

GWh/ano injetados na rede elétrica nacional

DS Smith Paper Viana

A DS é um produtor líder de embalagens de cartão canelado, que está presente em 37 países e emprega cerca de 32.000 pessoas.

Com mais de 200 unidades industriais, distribuídas pela Europa e Estados Unidos, o Grupo DS Smith baseia o seu modelo de negócio na produção de embalagens sustentáveis de elevada qualidade. Em Portugal, junto à cidade de Viana de Castelo, existe a única fábrica de papel kraftliner para produção de embalagens de cartão canelado do grupo DS Smith na Europa que se distingue das demais unidades do grupo por, para além de papel recuperado, utilizar fibra virgem (sobretudo fibra de pinheiro) no seu processo produtivo.

Esta fábrica iniciou a sua atividade em 1974, então com a designação Celnorte, posteriormente Portucel Viana, mais tarde Europac Kraft Viana e, desde janeiro de 2019, DS Smith Paper Viana. Com uma capacidade produtiva de papel de 400.000 t/a, esta unidade é reconhecida internacionalmente pela qualidade do seu produto e por ser uma das fábricas mais eficientes da Europa. Altamente comprometida com os princípios ambientais e de sustentabilidade, a DS Smith Paper Viana é excedentária em termos de energia elétrica, que produz com base numa importante fração de combustíveis renováveis, sendo a sua capacidade de produção de energia suficiente para abastecer todo o concelho de Viana do Castelo. Empregando cerca de 270 pessoas, a DS Smith Paper Viana é hoje um dos mais importantes contribuintes para o desenvolvimento e criação de riqueza na região onde se insere.

400.000

toneladas / ano papel kraftliner para embalagem

200.000

toneladas / ano consumo de papel recuperado

3.240.000

MWh de energia elétrica a partir de fontes renováveis

The Navigator Company

  • The Navigator Company, S.A.
  • Navigator Forest Portugal, S.A.
  • Navigator Pulp Aveiro, S.A.
  • Navigator Paper Figueira, S.A.
  • Navigator Pulp Figueira, S.A.
  • Navigator Paper Setúbal, S.A.
  • Navigator Pulp Setúbal, S.A.
  • Navigator Tissue Ródão, S.A.

Reconhecida como uma referência de qualidade em todo o mundo, a Navigator é a terceira maior exportadora em Portugal e a maior geradora de Valor Acrescentado Nacional.

A The Navigator Company é um produtor integrado de floresta, pasta, papel, tissue, soluções sustentáveis de packaging e bioenergia, cuja atividade se encontra alicerçada em fábricas de última geração à escala mundial, com tecnologia de ponta.

Representa aproximadamente 1% do PIB nacional, cerca de 3% das exportações nacionais de bens, e mais de 30 mil empregos diretos, indiretos e induzidos.

O Grupo desenvolve uma atividade florestal verticalmente integrada, com o seu próprio instituto de investigação florestal, e é responsável pela plantação de uma vasta área florestal em Portugal (1,2% da área do país), 100% certificada pelos sistemas FSC® e PEFC™.

€ 1,59 mil milhões

Volume de negócios (2021)

1,6 milhões

Capacidade de produção de papel em toneladas

104 673 ha

Área florestal sob gestão em Portugal, integralmente certificada

Renova

A Renova é uma marca Portuguesa de produtos de grande consumo no segmento dos produtos de papel tissue.

Desde sempre marca líder no nosso país, está presente nos cinco continentes desenvolvendo uma estratégia de inovação constante e lançamento de novas soluções. A Renova ambiciona ser cada vez mais uma marca do quotidiano, capaz de oferecer propostas exclusivas e diferenciadoras, disponíveis em todo o mundo.

A marca continua atenta à sociedade em que se insere, e tentará sempre transformar ideias em soluções para surpreender os seus fãs e clientes e ao mesmo tempo criar oportunidades reais de negócio e valor. O trabalho desenvolvido pelas diversas equipas que formam a Renova é o fundamento e essência do desenvolvimento da marca que tenta surpreender o mercado, alavancando a credibilidade e notoriedade de uma marca cada vez mais global.

Renova, The sexiest paper on Earth

Órgãos Sociais

Mesa da Assembleia Geral

Presidente

Ana Teresa Salgado
DS Smith Paper Viana, SA

Vice-Presidente

Fernando Araújo
Navigator Paper Figueira, SA

Secretário

Carlos Van Zeller
Celulose da Beira Industrial (CELBI), SA

Conselho Geral

Presidente

António Redondo
Navigator Paper Setúbal, SA

Membros

Miguel Silveira
Altri Florestal, SA

Paulo Fernandes
Caima – Indústria de Celulose, SA

José Soares de Pina
Biotek, SA

Carlos Van Zeller
Celulose da Beira Industrial (CELBI), SA

Mário Amaral
DS Smith Paper Viana, SA

João Lé
Navigator Forest Portugal, SA

Adriano Silveira
Navigator Pulp Aveiro, SA

Nuno Santos
Navigator Tissue Ródão, SA

António Andrade Tavares
Renova – Fab. de Papel do Almonda, SA

João Paulo Oliveira
The Navigator Company, SA

Conselho Fiscal

Presidente

António Andrade Tavares
Renova – Fab. de Papel do Almonda, SA

Vice-Presidente

Nuno Neto
Navigator Pulp Setúbal, SA

Vogal

BDO & Associados, SROC, Lda.